post-header

Para entender melhor o que é uma hérnia de disco vale começarmos esclarecendo o que são afinal esses discos e o que caracteriza o herniamento, ou o tipo de lesão que dá nome a essa patologia tão comum entre a população.

Introdução

A coluna vertebral é composto por vértebras, dentro das quais existe um canal por onde passa a medula espinhal. Entre as vértebras, por sua vez, estão os chamados discos intervertebrais, estruturas em forma de anel formadas por um tecido gelatinoso e elástico, conhecido por núcleo pulposo.

A função desses discos nada mais é do que amortecer o impacto entre as vértebras causado pelo movimento do corpo, desde os básicos e comuns, como a rotação e a inclinação, até os mais fortes, como os de quando você corre ou pula.

Essas estruturas gelatinosas acabam se desgastando com o envelhecimento e o uso repetitivo, o que pode fazer com que eles saiam da posição e extrapolem o limite físico do disco, comprimindo as estruturas ao redor da coluna, como raízes nervosas.

A esse fenômeno ou ocorrência se dá o nome de hérnia de disco. Ele pode ocorrer em qualquer região da coluna, mas é mais frequente na lombar e na cervical (pescoço), por serem as áreas que suportam mais cargas e são mais movimentadas.

A hérnia de disco também é chamada de deslocamento de disco ou ruptura do disco intervertebral e é uma das causas mais comuns de dor lombar e de dor na perna (dor ciática ou ciatalgia).


É mais comum do que você pensa:

Estatísticas sobre o diagnóstico são conta de que mais de 80% das pessoas já tiveram ou ainda terão um episódio de dor lombar em algum momento de suas vidas.

Destas, entre 10% e 30% têm como causa de origem uma hérnia de disco.

A boa notícia é que, mesmo que patologia possa se apresentar tão forte a ponto de ser incapacitante, a maioria dos pacientes evolui para a melhora da lesão e alívio das dores dentro de algumas semanas ou meses de tratamento, sem a necessidade de intervenção cirúrgica.

A maior ocorrência é em pessoas com idade entre 30 e 50 anos, mas crianças e idosos também estão sujeitos a sofrer com uma hérnia de disco.

Sintomas de hérnia de disco

Embora as hérnias estejam associadas a dores fortes no imaginário da população, é importante esclarecer que nem sempre o problema apresenta esse tipo de contorno dramático. Na verdade, em boa parte casos, os sintomas sequer dão as caras.

Estudos de prevalência mostram que mais de 60% das hérnias de disco visualizadas em exames de imagem são assintomáticas. Ou seja, o paciente pode apresentar lesão extrusa (quando o núcleo pulposa “vaza” do disco”) ou protrusa (quando ele apenas se desloca) e não sentir nenhuma dor ou formigamento.

Números:

60% DAS HÉRNIAS SÃO ASSINTOMÁTICAS

Até 60% das pessoas com mais de 40 anos apresentam uma hérnia de disco extrusa ou protrusa na ressonância magnética, porém não possuem sintomas.

MENOS DE 10% PRECISAM DE CIRURGIA

Até 90% das crises de hérnia de disco se resolvem em no máximo 6 semanas.

No entanto, 60% das pessoas podem apresentar uma nova crise em até 2 anos.

Causas

Em geral, a predisposição genética é uma causa importante para a ocorrência de hérnias discais, seguida do envelhecimento natural das estruturas, do sedentarismo e do tabagismo, que, como já falado acima, contribui para o enfraquecimento dos discos.

Atividades profissionais ou a prática de esportes que envolvam o levantamento de cargas altas corriqueiramente também pode contribuir para o aparecimento da lesão ao comprometerem a integridade da musculatura que protege a coluna vertebral.

Além disso, existem alguns outros fatores de risco para as hérnias de disco, tais como:

Sintomas

Os sintomas gerais da hérnia de disco são dor e rigidez, mas dependendo da localização e do tamanho da lesão, essa dor ou as sensações relatadas pelo paciente podem variar bastante.

A hérnia discal na cervical gera dor e rigidez na nuca, ombros e braços. Além disso,é comum que o indivíduo também sinta dificuldade de movimentação dos braços, pela compressão de algum nervo, e sensação de formigamento.

Já a lesão lombar costuma causar dor na lombar, dor nas pernas, coxas e nádegas (ciática), sensação de fraqueza nas pernas, formigamento e agulhadas.

Sintomas da hérnia discal lombar:

  • Dor irradiando para as pernas, quando o desgaste acontece na região lombar
  • Dor na região lombar que piora com a flexão do tronco
  • Sensação de formigamento ou de queimação irradiada (parestesias ou disestesias)
  • Sensação de fraqueza nas pernas
  • Dificuldade em elevar a parte anterior do pé (“pé caído” ou pé em gota)
  • Dor ciática (coluna, nádega, coxa e perna)

Sintomas da hérnia de disco cervical:

  • Dor nos braços ou ombros
  • Dor com padrão em choque ou agulhada fina, na região cervical até os braços
  • Sensação de formigamento nos ombros, braços e mãos
  • Sensação de fraqueza nos braços
  • Dor ao movimentar o pescoço, como na flexão anterior ou rotação
  • Sensações desagradáveis (disestesias) na região cervical ou membro superior



ATENÇÃO!
Muitas vezes, a dor lombar pode ser apenas um dos sintomas de uma doença mais grave. Por isso, o tratamento com um profissional não qualificado pode apenas mascarar alguma doença mais grave, como infecções ou tumores! Procure sempre um médico para avaliação dos seus sintomas e tratamento adequado.

Diagnóstico de hérnia de disco

Muitas vezes, basta o exame clínico, feito em consultório, para que o especialista identifique a causa dos sintomas do pacientes. Na consulta, o médico deve fazer algumas perguntas sobre o seu passado clínico. Procure respondê-las com a maior precisão possível para que ele compreenda mais rapidamente o seu problema e indique o melhor tratamento para aliviar os sintomas e sumir com o problema.

Testes:

São avaliadas aqui o padrão, a intensidade e a duração da dor lombar, cervical ou na perna e, levantada a suspeita de hérnia de disco, o médico prossegue para o exame físico e neurológico, testando reflexos, força muscular, capacidade de andar e sensibilidade ao toque, agulhadas e vibrações.

Exames complementares:

Se os exames em consultórios não forem suficientes para detalhar se a lesão é uma hérnia de disco ou ainda para localizar a posição exata do herniamento, então exames e imagem complementares podem ser solicitados para auxiliar o diagnóstico:

  • Eletroneuromiografia, para avaliar se há alguma radiculopatia ou compressão nervosa
  • Ressonância magnética ou tomografia da coluna, para visualizar a lesão e a altura da compressão
  • Raio-X da coluna como exame complementar, para excluir outras doenças (como fraturas) que causam dor nas costas ou no pescoço
  • Mielograma, exame invasivo que determina o tamanho e a localização da hérnia, em casos de dúvida diagnóstica após a ressonância magnética

Tratamento



O tratamento normalmente inclui a recomendação de repouso por um curto período de tempo, além de medicamentos para alívio da dor e também sessões de acupuntura e fisioterapia.

Geralmente, esses pontos simples e não invasivos bastam para a recuperação completa, desde que sejam seguidas à risca.

Métodos mais agressivos, como injeções de esteroides ou ainda uma cirurgia são recomendados a uma minoria de pacientes que não têm benefícios com o tratamento conservador e continuam com os sintomas mesmo após um período considerável.

As injeções de esteroides diretamente na coluna são eficazes para controlar a dor por meses, além de reduzir o inchaço causado pela hérnia de disco e aliviar os sintomas. Normalmente elas são aplicadas no próprio consultório médico.

Quanto à prescrição de remédios – que deve ser feita apenas pelo seu médico de escolha – os mais comuns são os analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares e medicamentos opióides.

Outros medicamentos adjuvantes para o tratamento de dores crônicas como antidepressivos e anticonvulsivantes também podem entrar no tratamento.


NÃO TOME REMÉDIOS POR CONTA PRÓPRIA:


Todo medicamento pode ter efeitos colaterais e só o profissional de saúde saberá explicar como ele deve ser tomado, bem como alertar sobre as consequências.

Automedicar-se pode piorar a doença e provocar complicações. Exemplos comuns incluem lesões hepáticas e gástricas pelo uso prolongado e indiscriminado de anti-inflamatórios não esteroidais e medicamentos corticóides, como a prednisona.



Acupuntura no tratamento de lombalgia

Como já dito anteriormente, a acupuntura apresenta efeitos analgésicos, relaxante muscular e anti-inflamatórios, e pode ser uma boa aliada no tratamento de lombalgias, inclusive nos casos da dor causada pela hérnia de disco.

Ela auxilia a tratar a síndrome dolorosa miofascial por meio da inativação dos pontos gatilhos dolorosos e da melhora das bandas tensas, que muitas vezes cronificam e pioram a dor lombar.

No casos das hérnias, a acupuntura traz alívio para a grande maioria dos pacientes, porque, além do fundo neuropático (compressão de nervos), a dor acaba por ter também um componente muscular.


O que diz a ciência:

Um estudo recente publicado no Clinical Journal of Pain mostrou que a acupuntura é eficaz no alívio das dores, além de um procedimento seguro.

Nas análises dos pesquisadores, o alívio da dor e outros sintomas pôde ser mantido por até 6 meses após o término das sessões. Os pacientes também não relataram efeitos adversos da terapia, o que geralmente não acontece no uso prolongado de medicamentos convencionais para o tratamento de dor.

Outro estudo sobre o desempenho da acupuntura no tratamento de lombalgias comparou a técnica com a eletroacupuntura e um tratamento placebo.

A pesquisa foi realizada por pesquisadores do Lund University Hospital, na Suécia, com 50 pacientes que preencheram um diário sobre sua dor para que os especialistas avaliassem como eles reagiam ao tratamento.

A análise desse diário revelou diferenças significativas entre o tratamento por acupuntura e placebo após um, três e seis meses de tratamento, sendo que a acupuntura foi mais eficaz que o placebo em todos esses intervalos.


Os pacientes submetidos ao tratamento com acupuntura também apresentaram menor quantidade de episódios de alterações do sono se comparados ao grupo do placebo.

Os últimos guidelines da Sociedade Americana de Dor e do Colégio Médico Americano orientam que os médicos considerem recomendar o uso da acupuntura no tratamento de lombalgia crônica que não apresentou melhora com o tratamento convencional.

Além disso, uma revisão sistemática recente de 22 estudos sobre acupuntura também mostrou que a ela resultou em alívios significativos para a dor nas costas crônica.

Vivendo em harmonia com a hérnia de disco:

Ao receber o diagnóstico de hérnia de disco, além do tratamento recomendado pelo seu médico você também pode adotar alguns hábitos seguros que garantirão uma convivència mais harmoniosa com o problema. Tome nota:

  • Fazer compressas com água quente ou gelo para alívio das dores e melhora da inflamação na região
  • Movimentar-se de vez em quando, já que o repouso completo pode danificar articulações ou causar fraqueza muscular. Sempre que possível, dê uma pequena volta, mesmo que seja ao redor de sua residência
  • Alongamentos para relaxamento muscular, a fim de evitar contraturas e a cronificação da dor da hérnia de disco

Possíveis complicações da hérnia de disco:

Se não for tratada ou o tratamento não for eficaz, a hérnia de disco pode gerar algumas complicações:

  • Dor nas costas a longo prazo e piora dos sintomas
  • Perda de movimento ou de sensibilidade nas pernas ou nos pés
  • Perda de funcionalidade do intestino e da bexiga

Prevenção

Ainda que a genética e o desgaste natural dos discos intervertebrais estejam na raiz de grande parte dos casos de hérnia de disco, há algumas práticas que, se não afastam totalmente a possibilidade de ocorrência do problema, pelo menos diminuem as chances de ele aparecer:

  • Mantenha a postura alinhada para não sobrecarregar a coluna e nem aumentar a carga nos discos intervertebrais
  • Não abuse do salto alto. Apesar de não haver comprovação científica, usar sapatos muito altos aumenta a curvatura da lombar, o que “cansa” a musculatura da região, responsável por proteger a coluna
  • Busque manter um peso saudável. Excessos sobrecarregam a coluna porque, quanto mais pesada uma pessoa é, maior será quantidade de gordura e menor a de músculos, diminuindo a proteção da coluna
  • Evite carregar peso excessivo. Levantar cargas altas com frequência pode causar danos aos discos intervertebrais. Mantenha um cálculo de até 10% do seu peso corporal para as cargas seguras
  • Abandone o hábito de fumar. As substâncias tóxicas do cigarro diminuem a quantidade de vasos sanguíneos responsáveis pela nutrição dos discos, o que pode fazer com que eles fiquem mais fracos e suscetíveis a lesões
  • Não faça exercícios físicos sem orientação especializada. A execução inadequada dos movimentos pode sobrecarregar os músculos e as articulações, além de lesar a coluna
  • Abaixe-se com consciência corporal. Se precisar pegar objetos no chão, agache-se totalmente, dobrando os dois joelhos e mantendo a coluna ereta
  • Respeite a ergonomia. Algumas dicas são atentar-se ao alinhamento correto de equipamentos eletrônicos e móveis e colocar uma almofada no encosto da cadeira

Neste link você pode conferir outras dicas e informações que vão te ajudar a manter a dor nas costas longe.

Website | + posts

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524

Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).